sexta-feira, 18 de março de 2016

Afinal do que somos feitos?

Os sonhos e os atos às vezes são tão distantes tanto quanto queremos que sejam. Em outros momentos os atos são tão distantes dos sonhos por conta do impiedoso tempo que teima em correr igualmente para todos. Há quem diga que apenas o tempo é universal.
Todos os átomos de carbono que nos constituem, ou se você é religioso, toda a sua alma, correspondem a uma imagem de você. Uma imagem que você faz de você mesmo. Esta auto-imagem pode ser influenciado, e é, por outros, pelo mundo todo. Mas em ultima análise é você que a determina e cabe a você, somente você se auto determinar no mundo por mais influenciado que seja.
Ocorre que para alguns seres Humanos estas escolhas para a autodeterminação são mais difíceis. Posições práticas podem ser bloqueadas por fatores mais fortes que a força de vontade do ser Humano em questão. A estes fica apenas uma chance, a revolta interna, mental, que fica guardada até que exista uma chance de esta aflorar.
Felizmente, minha condição atual não me coloca no grupo destes humanos. Posso, assim como muitos, escolher do que participo, o que defenderei. Desde criança sempre me identifiquei com este sistema nascido na Grécia Antiga que chamam de DEMOCRACIA.
Hoje mais uma vez vou há um protesto para defendê-la e lá vou eu com meus iguais. Você pode ir ao outro protesto, é um direito seu, mas cada um sabe o que faz e cada um deve saber do que é feito.
Se você vai ao outro protesto achando que se trata apenas de uma possível troca de mandatário, cuidado. Você está sendo enganado. O que está no centro da disputa, e que a grande mídia tenta camuflar, é um golpe e não um governo.
Se é a favor da DEMOCRACIA e não gosta deste governo faça campanha contra em 2018. Essa é a regra que deve ser respeitada. Se você não gosta da DEMOCRACIA, ok tente um golpe. Mas saiba que haverá resistência e 1964 não se repete.
Eu, antes de tudo, sou um amante da DEMOCRACIA e por isso vou a luta mais uma vez e espero que você esteja ao meu lado.

Afinal o que é um golpe?

Eduardo Duka Nunes, meu amigo no face que foi colega no Ensino Médio me provoca a esclarecer que é um golpe? Em um momento de deselegância disse que sou uma piada. Considero que esta declaração dele não é por maldade e sim pelo calor do momento. Mas sempre é bom lembrar que todos temos uma vida e que esta não pode ser atacada, seja da maneira que for. Imagino que minha filha, mesmo sem saber ler, não gostaria que chamassem o pai dela de piada. Posições divergentes? Ok, mas há de se ter respeito.
Respondendo o questionamento do meu colega de Ensino Médio. Golpe é quando se tenta derrubar um governo Democraticamente eleito por vias que não sejam a eleição. Não importa se se faz isso de forma legal ou não. O golpe se estabelece quando se cria uma maneira, um pretexto, para se fazer essa ação.
Para sabermos melhor o que acontece nada melhor que revisitar a história. Cada vez que lemos um livro que fala sobre 1964 ou mesmo 1954 temos a nítida impressão que o livro é sobre o que se faz hoje.
Lá por 2005 ou 2006 eu já sentia um momento “pré-golpe”. Nesse momento o que se fazia era apenas criar um caldo de cultura em favor da derrubado do governo. E como se faz isso? De várias maneiras que vão desde programas de humor até a busca incessante por qualquer coisa que de motivos para a pessoa ficar descontente. E nisso a grande mídia tem papel fundamental. Para ter um exemplo disso, caro Duka, leia 1964: Golpe Civil, Midiático e Militar de Juremir Machado da Silva.
Antes de terminar este texto quero citar um exemplo de golpe legal. A queda de Fernando Lugo, o 52º Presidente do Paraguai que teve um processo de Impeachment que durou menos de 36 horas. Tudo feito a luz da lei paraguaia, mas eu pergunto, quem pode se defender em 36 horas? Ninguém, ou seja, foi um golpe legal.
Então golpe é isso caro amigo Duka, ao qual não vou te adjetivar. Trata-se de não respeitar a vontade das urnas e querer tomar o poder na mão grande. Não precisa ser militar, não precisa ser a força. Basta apenas não respeitar o voto.
Mas me responde uma coisa:
Afinal se o governo for assim tão ruim é só vencerem as eleições de 2018. Ou será que vocês não tem alguém capaz de ser vencedor em uma eleição?

domingo, 22 de novembro de 2015

Gafe do Futebol

Hoje é dia de Grenal, arbitragem sempre é um assunto.
Para descontrair aí está uma história que envolve um bandeirinha e um torcedor.


SEMPRE FUI HONESTO

Fulano via uma partida de futebol amador quando um bandeirinha levantou o seu instrumento de trabalho. Como o árbitro não apitou, ele baixou a bandeira.
Começou uma discussão na arquibancada. Afinal ele deveria ter ficado com a bandeira levantada ou ele fez certo em baixá-la?
Beltrano disse então:
-Bom, pelo menos ele não fez como o Ciclano que uma vez levantou a bandeira e como o juiz não deu nada coçou suas costas com ela. Só para disfarçar.
E não é que Ciclano estava três degraus abaixo na arquibancada. Ele se virou e disse:

-Mas eu sempre fui honesto viu!!!

domingo, 15 de novembro de 2015

Deus privatizado

Imagem retirada de http://www.mprj.mp.br/areas-de-atuacao/direitos-humanos/areas-de-atuacao/combate-a-intolerancia-religiosa-e-defesa-do-estado-laico

Outra vez! Homens matam, e se matam, em nome de Deus. Mais especificamente do Deus de Abraão, o pai da fé! Filhos do pai da fé, por tanto, mataram outros filhos do pai da fé e para conseguir isso se mataram também. Afinal a quem este Deus protege? Calma Deus, se leres este texto te garanto que não é a você que questiono.
No Brasil, ainda não temos, atentados terroristas de cunho religioso. Mas também aqui há uma disputa pelo amor divino do Deus de Abraão. Uns chegam a usar a frase ‘Deus é fiel’. Notem a sutileza. A frase inverte todo o processo filosófico de qualquer religião.
Deus, é Deus. Para quem acredita e para quem não acredita também, o ser humano, aquele que vai na Igreja rezar, que faz promessas, que cultua, que confia na entidade superior chamada de Deus, esse é que é o fiel.
Vejam que esta idéia de colocar Deus como fiel a mim, ao meu grupo ou povo, acaba por ser uma privatização de Deus. Se ele é fiel a mim, é a mim que ele protege, não ao impuro, ao infiel, ao homossexual... Deus privatizado.
Não é distante a questão dos fundamentalistas do Islã. Neste momento saltam muitos falando um monte de besteiras e querendo dizer que todos os Árabes, que todos os Islâmicos, são terroristas em potencial. Não são!
Generalizações, neste momento só atrapalham e reforçam a intolerância. Terrorista é quem faz atos terroristas. Seja em nome de Deus, mesmo que seja o Deus de Abraão, ou em nome do estado como o fazem muitas vezes os Governos dos Países ou contra o Estado como houve uma tentativa aqui no Brasil na semana passada quando meia dúzia de caminhoneiros manifestaram querer derrubara a Presidenta Dilma.

Eu que não sigo a nenhuma religião não tenho problema nenhum de dizer que as religiões não são o problema. O problema são os radicais!

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

QUER DIZER QUE A CULPA É DO JARDEL? AH! VÁ...

O Rio Grande do Sul é mesmo interessante.
O cara é cearense, joga de reserva no Vasco. Em um golpe de sorte é contratado e cai no Grêmio e faz parte, como um dos protagonistas, de uma época de ouro do time. Tudo certo, até aqui? Normal né.
Jardel vai então para Portugal, se torna duas vezes o “chuteira de ouro” da Europa. Beleza, tudo certo. Chega a fazer algumas partidas pela seleção brasileira, ali não tem sucesso. Mas ta dentro do esperado, afinal naquela época era outro nível, fosse hoje entrava na vaga do Hulk.
Como em um script de cinema chegou a hora da virada na vida de Jardel, a virada dramática veio com o vício em cocaína. Perdeu tudo, inclusive seus amigos ou aqueles que ele achava que eram.
Voltou a morar em Porto Alegre por prescrição médica, ele mesmo disse isso em uma entrevista. Foi o seu médico que disse, vá para um lugar aonde lhe queiram bem, não sei se foram exatamente estas palavras, mas este foi o sentido.
Um tempinho se passa e nova virada na vida de Jardel. Candidata-se a deputado. Em uma entrevista perguntam para ele, você é de direita ou de esquerda? Ele responde, “de cabeça”.
O Jardel se elege com milhares de votos e, assim como o Governador Sartori, sem ter dito nada de fundamento para que se justificassem esses votos.
Na assembléia se revoltou contra o seu partido que queria mandar nele. Segundo o próprio deputado ele era ridicularizado pelos assessores. Houve até uma ameaça de morte, dizem.
Bom! Daí num belo dia, ou seria um péssimo dia? Jardel e mais 26 deputados votam um Projeto enviado pelo Governador, que disse que cortaria uns gastinhos ali e outros aqui e aumentou seu próprio salário, envia ao parlamento projetos para aumentar impostos.
Jardel votou a favor! Nossa, olha o que fez o cearense? Fez o mesmo que os outros 26 que votaram a favor.
O candidato a deputado que diz que entre direita e esquerda ele vai de cabeça se elege e vocês acham mesmo que a culpa é dele?
O Governador que nada disse e se elegeu envia aumento de impostos e a culpa é dele?
Qual dos dois chegou na posição em que está sem votos?
Qual dos dois?

No futebol Jardel será sempre lembrado sim, mas isso não é motivo para esquecer que os outros 26 também votaram a favor. Não foi apenas Jardel que decidiu a votação. Jardel não é rei, a não quando se trata de bola na área.

https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Jardel_Almeida_Ribeiro